quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

A menina que roubava livros


Primeiro, as cores.
Depois, os humanos.
Em geral, é assim que vejo as coisas.
Ou, pelo menos, é o que tento.


O começo do livro é intrigante. Tentar descobrir quem é o misterioso narrador desta história é um desafio e, de parágrafo em parágrafo, as descrições e as palavras vão se encaixando. Quem narra a história, afinal, é alguém que observa tudo. E que trabalha incessantemente. Mais tarde, num dos depoimentos, a narradora afirma:

“Provavelmente, é lícito dizer que, em todos os anos do império de Hitler, nenhuma pessoa pôde servir ao Führer com tanta lealdade quanto eu”. Bem, parei de dar dicas para não estragar a graça do livro.

Um pouco sobre a história agora. A menina que roubava livros, de Markus Kusak, conta a trajetória de uma menina na Alemanha de Hitler durante a Segunda Guerra Mundial. Os livros que ela rouba são a sua válvula de escape para todos os desastres e perdas que acontecem ao seu redor. Depois, no auge do seu desespero, ela percebe que não sente mais alegria em roubar e culpa as palavras por tudo o que está acontecendo. São as palavras que aprisionavam, torturavam e manipulavam a população alemã. Como mesmo diz no livro, sem as palavras o Führer e o império Alemão não eram nada.

Mesmo assim, as palavras acabam se tornando grandes aliadas da menina. São elas que dão esperança às pessoas que lêem junto à menina no porão, durante os longos bombardeios. E, por fim, são elas que salvam a roubadora de livros.

A história narra o desespero das pessoas durante a segunda guerra mundial e das soluções encontradas para tentar sobreviver àquele episódio. Época de incertezas, que abrigar um judeu era sinal de perigo e que se manter vivo era um desafio. O livro te deixa pensando em como o ser humano é capaz de ser tão cruel e insano em busca de poder. A nota final da narradora deixa isso claro.
“Os humanos me assombram”

Um pouco sobre o autor. Markus Kusak se inspirou nas histórias que ouvia na sua infância, da cidade alemã onde sua mãe morou, na época da Segunda Guerra. Numa entrevista, ele fala que era preciso contar o outro lado da Alemanha Nazista, que a gente ainda não conhece.
"Nós temos essas imagens das marchas em fila de garotos e dos 'Heil Hitlers' e essa idéia de que todos na Alemanha estavam nisso juntos. Mas ainda havia crianças rebeldes e pessoas que não seguiam as regras e pessoas que esconderam judeus e outras pessoas em suas casas. Então eis outro lado da Alemanha Nazista"

Confesso: comprei esse livro porque faz tempo que está entre os mais vendidos. Sei que não é o procedimento indicado, já que nem todo best-seller merece o título de bom livro. Mas esse livro me surpreendeu, principalmente pelo modo como é escrito, utilizando frases curtas e de impacto. Agora posso dizer mesmo que estar na lista dos mais vendidos não é pura coincidência, que o livro é muito bom mesmo.

Com esta resenha, vou dando mais um intervalo ao blog. Daqui a alguns dias vou ir pra praia e espero voltar cheia de idéias e novos livros para indicar. Na outra semana posto alguma coisa que andei escrevendo nos últimos tempos, só para fazer alguma coisa diferente.

4 comentários:

Adriano disse...

garota,
vc tá ficando boa nisso!

parabéns

Anica disse...

Olá, Natália!
Achei seu blog pela referência que você fez ao meu post de A Menina que Roubava Livros e notei que assim como eu, você gosta muito de literatura. Por isso estou fazendo um convite especial para você visitar o fórum Meia Palavra -> http://www.meiapalavra.com.br/ um lugar para falar de literatura (com mais coração, é claro).

Espero você lá ;)

Thais disse...

Fiquei tão curiosa que fui correndo comprar o livro. Estou adorando!!! Mais uma boa dica do blog!!!!
Beijo
Thais - Poa

Rodka disse...

Excelente. Excelente mesmo. Ainda não o li, pois não gosto muito de comprar livros logo que eles são lançados e também, vez ou outra, desconfio de best-sellers, mas depois desta resenha sinto-me na obrigação de ler.
Obrigado por ter linkado meu humilde blog (descobri somente hoje).
Linko o seu com um enorme prazer, pois é difícil achar bons blogs com resenhas e informações sobre livros.
Saudações.