segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Os 100 melhores livros


A Revista Bravo! lançou uma edição especial que com o ranking dos 100 livros essenciais da Literatura Mundial. Folheando a revista, percebi que havia lido apenas 4 dos livros indicados: Cem Anos de Solidão, do Gabriel Garcia Márquez; As Cidades Invisíveis, de Ítalo Calvino; Os três mosqueteiros, de Alexandre Dumas e Odisséia, de Homero.

A seleção da revista se baseou em estudos do crítico Harold Bloom e em outros rankings, como o da Revista Time e Modern Library. Ela abrange livros importantes nem tanto pela linguagem usada, mas mais pelas suas idéias, que marcaram a época em que surgiram seja consagrando a cultura existente, combatendo os regimes vigentes ou confrontando tabus da sociedade. Abaixo, selecionei alguns livros da lista.

Na seleção, há livros que inspiraram os autores ocidentais. Odisséia, de Homero, mudou o que já existia de literatura, aproximando o herói épico do homem moderno. O personagem principal, assim como o homem moderno, ‘luta contra suas angústias e dores de seu tempo’.

Outro autor que inspirou a literatura e o cinema ocidentais foi William Shakespeare. Na revista, são citados 3 livros dele: Otelo, Noite de Reis e Hamlet. As obras do escritor inglês deram origem a filmes, influenciando a cultura, simplesmente porque os conflitos que seus personagens vivem podem ser aplicados a qualquer um de nós, em qualquer época.

No ranking, o livro Metamorfose, de Franz Kafka, foi trocado por O Processo, do mesmo autor – o que me surpreendeu, já que o primeiro é mais conhecido. Nos dois livros, Kafka trata de temas que se relacionam ao seu sentimento de não-pertencimento, que se considerava um estranho no seu próprio país, por não ter uma identidade cultural e ter sido criado sob a influência de 3 culturas – a judaica, a alemã e a tcheca.

A falta de sentido da vida é o tema de O Processo, em que seu personagem se vê preso e refletindo sobre seus relacionamentos artificiais e cotidiano vazio. A mesma crise de existência é tema de outro livro indicado – O Deserto dos Tártaros, do italiano Dino Buzzati. Ele conta a história de um forte militar onde os soldados esperam o ataque do inimigo e a razão de uma vida vazia, que viria no momento da morte.

Alguns livros da revista fazem questionamentos à sociedade e ao regime em que estão inseridos. 1984, de George Orwell, critica o totalitarismo e os regimes que contrariam a liberdade. De um jeito mais sutil, Jane Austen escreve em Orgulho e Preconceito sobre os danos causados às mulheres na sociedade machista inglesa.

Outros livros confrontam os tabus da época. O livro Lolita, por exemplo, causou polêmica no seu lançamento, em 1955. Nele, o autor Vladimir Nabokov narra um caso de pedofilia, em que um homem deseja uma menina de 12 anos.


Um livro brasileiro aparece no ranking. Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, que nos representa com classe na literatura mundial.

A Revista está aí para dizer o quanto é importante ler esses livros – e outros mais, que podem ser adicionados às nossas pequenas listinhas. Eles delineiam a sociedade e contam as histórias e as angústias de cada época. Seja sacramentando causas da sociedade, como Os Três Mosqueteiros ou confrontando tabus, como Lolita.
A intenção da lista de livros é nos aproximarmos entender quem nós somos no mundo. Agora só falta ler todos os 86 livros restantes. E fazer a minha própria lista dos 100 livros indispensáveis.

2 comentários:

Igor Veiga disse...

Parabéns pelo blog.

Thais disse...

Oi Natália! O "Guia de Leitura - 100 autores que você precisa ler" da L&PM Pocket é muito legal! Vários narradores falam de obras que integram o chamado cânone da literatura ocidental. De Albert Camus a William Shakespeare, passando por Machado, Borges, Euclides, Guimarães Rosa etc. É só uma dica!! Abraço, Thais